livro_manualdoprepostomarcosalencar_banner (1)
livro_manualdoprepostomarcosalencar_banner (1)
Últimas notícias do TST:
RSS url is invalid or broken
Domingo, 14 de julho de 2024

ACHO QUE O MIN. GILMAR LEU MEU ARTIGO

Por Marcos Alencar 25/10/23 marcos@dejure.com.br

O artigo de hoje está bem pretensioso, mas, sinceramente, quando li a reportagem da Revista Veja com as “falas” do Ministro Gilmar, eu – por um breve instante – achei que ele teria lido o meu artigo postado aqui 2 dias antes (em 18/10/23), no qual eu intitulo de “A insanidade jurídica, o STF e a JT”.

Não é dado é nenhum cidadão descumprir ordem judicial, por mais antagônica que aos seus pensamentos seja. Por mais absurda. Ordem judicial tem que ser cumprida, em homenagem a segurança jurídica, para que se afaste a “bagunça judiciária”.

Infelizmente, estamos vivendo um tempo de literal “desordem judiciária trabalhista”, que permeia a insanidade jurídica, perante especialistas do direito do trabalho, imagine em relação a um empregador que não possui nenhuma aptidão jurídica (?)

Isso decorre do que disse o Ministro Gilmar.

Esquecendo aqui as palavras agressivas dele, que foram desferidas contra os Magistrados trabalhistas, na minha opinião ele está certo.

Precisamos resgatar o: “manda quem pode e obedece quem tem juízo!”.

É inadmissível que um Magistrado, de qualquer ramo do direito, desvirtue, dê “by-pass”, crie subterfúgios para não cumprir “ordem judicial” da instância superior a dele.

O STF – Supremo Tribunal Federal está acima de tudo, somente abaixo de Deus. Essa é a regra do jogo, se goste ou não.

A partir do momento que o judiciário não se respeita e não se entende; que passa a desfraldar uma disputa de bastidores de “gatos e ratos”,; a coisa realmente beira o rumo da loucura.

É muito importante lembrar, que as relações de emprego são caras. O maior custo da maioria das empresas, está na folha de pagamento. Não se ter uma clareza das regras a seguir, do que vale e do que não vele; do que pode e do que não pode; é muito grave!

É preciso que todos os Magistrados olhem mais pela janela dos seus gabinetes, a fim de perceber que vale mais do que a ideologia protecionista trabalhista e das suas próprias ideias, a paz social, a tranquilidade nas relações do trabalho e a tão sonhada segurança jurídica.

Estou transcrevendo a reportagem da Veja e abaixo o link do meu artigo que publiquei dia 18/10/23.

O DURO RECADO DE GILMAR MENDES A JUÍZES TRABALHISTAS QUE IGNORAM O STF

Ministros têm sofrido com onda de ações que questionam decisões da Justiça do Trabalho, proferidas sem o devido respeito a entendimentos do Supremo

Por Robson Bonin

Atualizado em 20 out 2023, 18h43 – Publicado em 20 out 2023, 09h01

Fustigado pelo Congresso, o STF também coleciona atritos com a Justiça do Trabalho. Ministros dizem que os juízes trabalhistas ignoram entendimentos do Supremo e, com isso, obrigam a Corte a anular suas decisões.

O fenômeno tem abarrotado o STF de ações. Segundo o decano Gilmar Mendes revelou em seu voto num desses casos, das 4.781 reclamações que aportaram na Corte no ano, 2.566 são de “Direito do Trabalho”.

“Estão sobrecarregando o STF”, diz Mendes ao Radar.

Por causa dos “caprichos da Justiça do Trabalho”, segue o decano da Corte, o STF perde tempo anulando decisões que reconhecem vínculos inexistentes de emprego entre pessoas jurídicas e até entre trabalhadores de aplicativo e plataformas como a Uber.

“Os caprichos da Justiça do Trabalho não devem obediência a nada: à Constituição, aos Poderes constituídos ou ao próprio Poder Judiciário. Observa apenas seus desígnios, sua vontade, colocando-se à parte e à revelia de qualquer controle”, diz Mendes.

O decano critica juízes que afrontam decisões do STF: “Os magistrados do trabalho reconhecem que a todo custo buscam se desviar da jurisprudência desta Corte: ora alegam que o precedente não é específico para a situação dos autos, ora tergiversam sobre a necessidade de valoração do acervo probatório. As justificativas são inúmeras, mas , mas o propósito é único e bem definido: implementar o bypass dos precedentes do Supremo Tribunal Federal. Não causa espanto que tantas reclamações como a destes autos aportem na Corte”.

Leia mais em: https://veja.abril.com.br/coluna/radar/o-duro-recado-de-gilmar-mendes-a-juizes-trabalhistas-que-ignoram-o-stf o propós…

Compartilhe esta publicação