livro_manualdoprepostomarcosalencar_banner (1)
Últimas notícias do TST:
Quinta, 02 de dezembro de 2021

OS GRANDES TAMBÉM ERRAM – JORNADA SEM REGISTRO

Por Marcos Alencar marcos@dejure.com.br 23/11/21

Me deparo – muitas vezes – com a seguinte situação: Você responde ao questionamento (dúvida), enviando o texto da lei e várias jurisprudências. Apesar desse esforço, o cliente lhe retorna questionando a razão do fulano A ou B – que são gigantes e bem sucedidos, fazerem aquele procedimento que estou considerando como errado.

O questionamento se baseia exclusivamente no equivocado (vou repetir, equivocado!) entendimento de que – quem é grande (gigante) nunca erra.

Ora, da mesma forma que uma empresa de pequeno porte erra ou entra numa sequência de procedimento errado, acontece com os grandes negócios.

Ser grande não é sinônimo de acerto.

É preciso que se entenda isso, como uma regra e não como uma exceção.

Abaixo, transcrevo uma publicação no campo de notícia do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (2 Região).

Veja que a grande empresa, cometeu um equívoco quando a marcação da jornada dos seus empregados e pode (estou especulando) ter acontecido o caso clássico da direção geral da empresa sequer ter conhecimento dessa prática ilegal.

O tamanho da empresa, muitas vezes, impede que -quem está na cabine de comando – não enxergue os problemas e irregularidades que estão sendo praticados na ponta da operação.

EMPRESA DE VAREJO É CONDENADA PELA PRÁTICA DE SOBREJORNADA APÓS REGISTRO DE PONTO

Esta notícia foi visualizada 2059 vezesPublicada em: 22/11/2021 / Atualizada em: 22/11/2021

A 1ª Vara do Trabalho de Itaquaquecetuba determinou que a empresa Via Varejo tome providências para que seus empregados registrem a jornada de trabalho efetivamente exercida, eliminando atividades laborais depois do registro de ponto, em ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Trabalho.

A prática foi verificada em unidade da empresa no mesmo município do juízo, na qual os funcionários, embora tivessem o sistema bloqueado ao atingir a jornada contratada, usavam a matrícula de terceiros para seguir trabalhando.

A condenação inclui pagamento de indenização de R$ 50 mil por danos morais coletivos. Caso descumpra a determinação, a ré terá de pagar mais R$ 3 mil por empregado encontrado em situação irregular e a cada dia em que acontecer a irregularidade.

O juiz prolator da sentença, Diego Taglietti Sales, constatou, por meio das testemunhas, que era comum a prática de os trabalhadores encerrarem o expediente e seguirem trabalhando, a fim de continuarem o atendimento a clientes. Segundo o magistrado, essa conduta vai contra a legislação e o horário deve ser adequadamente computado.

Em defesa, a Via Varejo se limitou a argumentar que não é possível fraudar o relógio de marcação de ponto, mas, ainda de acordo com o juiz, “as questões estão relacionadas com irregularidades não no sistema de registro de ponto, mas na dinâmica laboral paralela ao registro e posterior à marcação”.

Cabe recurso.

(Processo nº 1000578-76.2021.5.02.0341)

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email