O PARCELAMENTO DA RESCISÃO E O ACORDO EXTRAJUDICIAL

Por Marcos Alencar 09-02-21 marcos@dejure.com.br

O que me motivou a escrever este artigo, é o fato de que alguns empregadores estão rescindindo o contrato de trabalho dos seus empregados e pagando o valor da rescisão de forma parcelada, mediante a imposição de um “acordo extrajudicial com homologação judicial trabalhista”.

Para ficar mais claro, a situação ocorre da seguinte forma:

A demissão sem justa causa ocorre e o valor das verbas rescisórias não é paga no prazo de 10 dias. Negocia-se um acordo (incluindo a multa por atraso no pagamento da rescisão (art.477)), buscando a quitação do contrato de trabalho, via homologação de um acordo extrajudicial.

Isso pode ser feito? É legal proceder assim? Entendo que sim e que não.

Explico:

  • Sim, como uma exceção, se ficar claro que a empresa está encerrando as suas atividades, ou, fechando uma filial na qual àqueles empregados que estão sendo demitidos trabalham. Se a empresa está encerrando o negócio por conta da pandemia (por exemplo), existe uma justificativa plausível (de falta de caixa) para que as rescisões contratuais sejam pagas de forma parcelada. A dificuldade financeira do empregador está evidente e o pagamento da rescisão em parcelas, é uma necessidade.
  • Não, se a empresa está funcionando normalmente e tem clara condição financeira de pagar a rescisão no prazo de 10 dias. Neste caso, entendo que o procedimento de pagar a rescisão contratual em parcelas, é ilegal, porque esse procedimento não se justifica. A empresa tem condições de pagar, portanto, deve ser cumprido o prazo legal de 10 dias e o empregado apenas e tão somente, assinar o termo de rescisão do contrato de trabalho.

O art. 477 da CLT, que trata da rescisão contratual, prevê que:

Na extinção do contrato de trabalho, o empregador deverá proceder à anotação na Carteira de Trabalho e Previdência Social, comunicar a dispensa aos órgãos competentes e realizar o pagamento das verbas rescisórias no prazo e na forma estabelecidos neste artigo. (Redação dada pela Lei nº 13.467, de 2017)

§ 6o A entrega ao empregado de documentos que comprovem a comunicação da extinção contratual aos órgãos competentes bem como o pagamento dos valores constantes do instrumento de rescisão ou recibo de quitação deverão ser efetuados até dez dias contados a partir do término do contrato. (Redação dada pela Lei nº 13.467, de 2017)

Temos ainda o parágrafo 8, que prevê infração administrativa, ao empregador que não cumprir o pagamento da rescisão no prazo de 10 dias.

§ 8º – A inobservância do disposto no § 6º deste artigo sujeitará o infrator à multa de 160 BTN, por trabalhador, bem assim ao pagamento da multa a favor do empregado, em valor equivalente ao seu salário, devidamente corrigido pelo índice de variação do BTN, salvo quando, comprovadamente, o trabalhador der causa à mora. (Incluído pela Lei nº 7.855, de 24.10.1989)

Portanto, é de se concluir que as verbas rescisórias – em regra – deverão ser pagas no prazo de 10 dias e que tais verbas são líquidas e certas em favor do empregado demitido. Se são líquidas e certas, não existe justificativa legal para fazerem parte de um acordo extrajudicial. Temos ainda que considerar, que a rescisão deverá permitir no referido prazo, a liberação do FGTS, da multa de 40% do FGTS e do benefício do seguro desemprego. Ao não pagar a rescisão no prazo de 10 dias, o empregador causa mais este prejuízo ao empregado, porque ele fica sem o acesso ao FGTS e seguro desemprego.

Na medida em que o empregador (que goza de boa saúde financeira) se utiliza da hipótese do acordo extrajudicial mediante o parcelamento da rescisão e com a quitação do contrato de trabalho, entendo, que há violação do art. 477 e seguintes da CLT e também do art. 855-B da CLT (que trata do processo de acordo extrajudicial).

A possibilidade das partes firmarem um acordo extrajudicial, foi criada pelo legislador para parcelas discutíveis, decorrentes do contrato de trabalho e nunca para parcelas líquidas e certas.

Para exemplificar uma situação correta do uso do acordo extrajudicial, imagine que o empregado foi demitido, recebeu o pagamento da rescisão contratual no prazo de 10 dias (sacou o FGTS, multa de 40% e seguro desemprego), mas persiste entre ele o o ex-empregador uma discussão sobre um saldo de horas extras. Em seguida, as partes negociam este saldo e resolvem fechar um acordo, para evitar uma futura reclamação trabalhista. O empregador quer pagar o saldo de horas extras e ter todas as pendências do contrato de trabalho resolvidas (segurança jurídica). O próximo passo, será assinar um acordo extrajudicial (cada parte sendo assistido pelo seu respectivo advogado ou o empregado pelo advogado do sindicato) e com isso protocolarem perante a Justiça do Trabalho um processo com pedido de homologação do acordo extrajudicial.

O exemplo dado acima, narra a situação que foi prevista pelo legislador para a utilização do acordo extrajudicial. Jamais foi criada a possibilidade do acordo extrajudicial, para se parcelar verbas rescisórias (que são líquidas e certas), para se dar um drible no prazo de 10 dias do art. 477 e nem para obter do trabalhador um salvo conduto, através da quitação do contrato de trabalho.

É também importante registrar, que muitos empregadores acham que estão obtendo uma quitação total de direitos na Justiça do Trabalho, mas na verdade (em alguns casos que analisei) o Juiz do Trabalho quita apenas o objeto do acordo, ou seja, a quitação se refere apenas as parcelas que estão sendo pagas (quitação esta que pode ser auferida apenas com a assinatura do termo de rescisão do contrato de trabalho) e negam a quitação do contrato de trabalho.

Segue o art. 855-B e seguintes, que trata do acordo extrajudicial.

CAPÍTULO III-A
DO PROCESSO DE JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA PARA HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO EXTRAJUDICIAL

(Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)
Art. 855-B. O processo de homologação de acordo extrajudicial terá início por petição conjunta, sendo obrigatória a representação das partes por advogado. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

§ 1o As partes não poderão ser representadas por advogado comum. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

§ 2o Faculta-se ao trabalhador ser assistido pelo advogado do sindicato de sua categoria. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

Art. 855-C. O disposto neste Capítulo não prejudica o prazo estabelecido no § 6o do art. 477 desta Consolidação e não afasta a aplicação da multa prevista no § 8o art. 477 desta Consolidação. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

Art. 855-D. No prazo de quinze dias a contar da distribuição da petição, o juiz analisará o acordo, designará audiência se entender necessário e proferirá sentença. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

Art. 855-E. A petição de homologação de acordo extrajudicial suspende o prazo prescricional da ação quanto aos direitos nela especificados. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

Parágrafo único. O prazo prescricional voltará a fluir no dia útil seguinte ao do trânsito em julgado da decisão que negar a homologação do acordo. (Incluído pela Lei nº 13.467, de 2017)

Em suma, entendo que tendo a empresa condições financeiras de pagar a rescisão contratual, não deverá a mesma proceder dessa forma, de parcelar a rescisão e fazer um acordo extrajudicial com o empregado demitido, pois prevejo os seguintes riscos:

(a) De ser entendido o processo de acordo extrajudicial com homologação judicial, como uma “lide simulada” e assim uma “fraude”. Se ficar provado o vício de consentimento do trabalhador (a coação em aceitar o acordo, por conta da sua necessidade alimentar de acesso ao dinheiro da rescisão e ao saque do FGTS e benefício do seguro desemprego) será o acordo extrajudicial passível de anulação – via ação rescisória;

(b) Certamente será investigado a relação do empregado demitido com o advogado que o representa. Os Juízes e Tribunais quando anulam estes casos, normalmente expedem ofício para que a Ordem dos Advogados do Brasil investigue a atuação do advogado, se ele realmente defendeu os interesses do cliente ou se ele estava do lado do adverso (a empresa);

(c) Haverá ainda a possibilidade de abertura de inquérito civil, através do Ministério Público do Trabalho, que poderá ajuizar Ação Civil Pública para anular os acordos realizados (caso seja um procedimento coletivo) e também enquadrar no disposto pelo art. 203 do Código Penal, considerando “a fraude” contra a Organização do Trabalho. Normalmente o MPT recebe uma denúncia, que poderá ser anônima. Em seguida, ele investiga o teor dos acordos extrajudiciais realizados versus as rescisões e os seus pagamentos no prazo de 10 dias;

(d) Por fim, há ainda a possibilidade de fiscalização de todos os termos rescisórios, dos últimos cinco anos, através da Secretaria de Previdência e Trabalho, autuando cada um deles, que ultrapassaram o prazo de 10 dias para pagamento, bem como o recolhimento da multa de 40% do FGTS.

Em síntese, a rescisão contratual deverá sempre ser paga no prazo de 10 dias, conforme previsto no art. 477 da CLT, sob pena da empresa sofrer um grandioso revés mais adiante.

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email