SE CONSTRANGER, SERÁ DEVIDA A INDENIZAÇÃO.

Por Marcos Alencar 15/01/2020

Ontem recebi a notícia abaixo (e trazida no link a seguir), do conjur, que um parceiro e amigo comentava. Rodrigo, meu parceiro, pontuou que muitas vezes o empresariado acha exagerado a forma de aplicação da Lei. Neste caso, o empregado recebeu uniforme de tamanho bem menor do que o seu, inclusive os sapatos. O empregado, usou o uniforme no trabalho e por ser obeso, as roupas rasgavam, deixavam parte do seu corpo a mostra, o que gerou piadas a seu respeito.

A 2ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) condenou uma empresa requalificadora de botijões de gás a indenizar em R$ 8 mil, por danos morais, um empregado que era obrigado a utilizar uniformes em tamanho menor do que necessitava. A decisão reforma sentença do juízo da 1ª Vara do Trabalho de Canoas. Cabe recurso ao Tribunal Superior do Trabalho (TST)

Se alguém achar isso exagerado, deve fazer um teste. Vista uma roupa menor do que a do seu número e inclusive os sapatos e tente trabalhar e andar na rua. O que acontecerá? Imagine-se estando acima do peso. A indenização foi no valor de R$8.000,00 (oito mil reais). Sinceramente, não vejo o julgamento como algo excessivo, porque basta nos colocarmos na posição desse empregado e perceberemos o quanto ele sofreu. Há situações que marcam a pessoa para sempre, vejo neste caso algo nesta linha. Não se trata de um evento, mas da continuidade dele.

As empresas precisam pensar mais longe e entender que o empregado precisa encarar o local de trabalho como a extensão da casa dele, em termos de conforto. A cadeira não pode ter espinhos! As grandes corporações que se reinventam (a exemplo do Google) deixam os empregados se sentirem o mais a vontade possível, criando células de lazer, ambientes de descanso, para que eles relaxem no trabalho assim como o fazem nas suas casas.

Você acha que o Google não pesquisou sobre isso e percebeu que – mesmo trabalhando menos horas – os empregados são mais produtivos e felizes, adoecem menos, etc. – Portanto, este artigo de hoje traz essa lição de empreendorismo, trate o seu empregado da melhor forma, para que ele se sinta super confortável trabalhando; que o trabalho gere prazer e realização.

O empregado não pode acordar pela manhã, com àquela sensação de desprazer, de depressão, de tortura, de que vai ter que trabalhar (que saco!). Ele precisa ser seduzido. Roupas confortáveis, ambiente de trabalho ergonômico; conforto térmico; etc. Muitos podem estar rebatendo essa minha opinião: Ah! mas isso custa caro e nem sempre é possível! – Não se trata de despesa, mas de investimento e dentro do possível, que seja seguido esse norte, esse rumo.

A maior riqueza de uma empresa é o seu capital humano. A empresa se tornará cada dia maior, se o capital humano estiver motivado e feliz.

Sds Marcos Alencar

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email