O “ÓCIO COMPULSÓRIO” NÃO É PERMITIDO.

Por Marcos Alencar 12/09/19.

A expressão: “Não tem problema não, vou respeitar a estabilidade – mas não vamos passar nenhum serviço. Vai passar o dia aqui, sentado na mesa em fazer nada, cumprindo o expediente olhando pras paredes” – Essa frase retrata o ócio compulsório. A pessoa do trabalhador, do empregado, é colocado em “stand by” compulsoriamente.

O objetivo dessa estratégia, é fazer com que a pessoa do empregado se abale psicologicamente e peça para sair da empresa, peça demissão, etc. Esse mecanismo de pressão, vem sendo considerado ilegal e as empresas que assim procedem, têm recebido condenações ao pagamento de indenização por danos morais, sem contar toda uma fiscalização que passa a ser feita.

A Constituição Federal assegura a todos os brasileiros, o direito ao trabalho, isso quer dizer que a pessoa tem o acesso a atividade laboral, não podendo o empregador pagar salário e ao mesmo tempo obrigar o empregado a nada fazer.

Para apimentarmos o debate, se um empregado nestas condições – por exemplo – se suicida, não faltará argumentos para culpar a empresa da decisão do trabalhador em ceifar a própria vida. No link abaixo fizemos um vídeo no qual detalhamos o fenômeno e as suas consequências.

VÍDEO SOBRE O ÓCIO COMPULSÓRIO

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email