Acordo Coletivo, não há necessidade de autorização da DRT

Prezados Leitores,

Seguindo a equivocada tendência de intervenção do poder público [ sentido amplo ] nas relações trabalhistas, mesmo sem Lei prevendo tal atitude, alguns fiscais do trabalho, reitero, equivocadamente, estão pretendendo obrigar os sindicatos [de classe e dos patrões] a previamente avisá-los a respeito de formalização de instrumento coletivo [normativo].

foto

 

Tal exigência é ilegal, viola o art. 614 da CLT e o art.5, II da Constituição Federal de 1988, ou seja, não existe Lei assegurando tal competência ao Ministério do Trabalho.

“….CLT. Art. 614 – Os Sindicatos convenentes ou as empresas acordantes promoverão, conjunta ou separadamente, dentro de 8 dias da assinatura da Convenção ou Acordo, o depósito de uma via do mesmo, para fins de registro e arquivo, na Secretaria de Emprego e Salário, em se tratando de instrumento de caráter nacional ou interestadual, ou nos órgãos regionais do Ministério do Trabalho, nos demais casos. “

Portanto, os sindicatos de patrões e empregados são livres para firmar os acordos e convenções coletivas de trabalho, cabendo ao Ministério do Trabalho apenas ser avisado disso, quando do registro, nada tendo a ver com a eficácia/validade do documento.

Caso os Doutos entendam que há alguma cláusula nula, que busquem através do Ministério Público do Trabalho anulação da mesma através de ação própria perante a Justiça do Trabalho, jamais de forma administrativa, considerando que não há competência funcional da fiscalização para isso.

Os acordos coletivos têm força de Lei entre as partes que assinam o instrumento, considerando o disposto no art. 611 da CLT e o art.7 da Constituição Federal de 1988, que assegura amplamente o direito negociado frente ao legislado.

Ressalto a postura que vem sendo adotada pelo TST em restringir esse caráter amplo da norma coletiva, motivo de várias críticas lançadas aqui no blog, pois tal entendimento é violador da Constituição Federal, pois jamais houve intenção do legislador em limitar o campo das negociações coletivas. Se iso faz mal ou bem, que se mude a Lei, jamais se entenda de forma diferente e por conta disso, se julgue em forma contrária ao previsto em Lei.

Sds Marcos Alencar 

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email