Cooperativas, válula de escape da crise?

Prezados Leitores,

Existe Lei regulando o cooperativismo, mas na prática esse modalidade de ocupação e renda foi banida do trabalhismo brasileiro, pelas autoridades [ Juízes Trabalhistas, Fiscais do Trabalho, Procuradores do Trabalho, Sindicalistas de classe ] por entenderem que isso ameaçava o contrato de trabalho e a cobertura dada pela Consolidação das Leis do Trabalho. Com a crise e desemprego, o tema volta a pauta. [ Clique abaixo e leia mais………..]

 foto

 

A CLT no seu art. 442 é taxativa em reconhecer as cooperativas de trabalho, regulando-as e diferindo o trabalhador associado da mesma dos empregados em geral.

Art.442 da CLT. Contrato individual de trabalho é o acordo tácito ou expresso, correspondente à relação de emprego. Parágrafo único. Qualquer que seja o ramo de atividade da sociedade cooperativa, não existe vínculo empregatício entre ela e seus associados, nem entre eles e os tomadores de serviços daquela.

 Com a crise que se instala e as demissões em massa, entendemos que as Cooperativas, se toleradas fossem, seriam uma boa válvula de escape para encaixe do trabalhador e geração de ocupação e de renda, contribuindo com isso para estimular o empreendedorismo brasileiro, pois seria atenuada a perda da capacidade produtiva das empresas.

Pior do que ser Cooperado é ser Desempregado. Num momento de caos que estamos vivendo e sabendo o que significa o fantasma do desemprego, essa saída é uma saída legal, honrosa, que pode ser fiscalizada e que gera uma boa renda para o trabalhador.

É preciso que se entenda o trabalhismo de forma ampla, e não apenas para aquele grupo privilegiado que ainda conta com uma Carteira Profissional assinada.

Sds Marcos Alencar  

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email