livro_manualdoprepostomarcosalencar_banner (1)
Últimas notícias do TST:
Sábado, 23 de outubro de 2021

A SAÚDE MENTAL E OS TRABALHADORES

Por Marcos Alencar 20/09/21 marcos@dejure.com.br

Estou escrevendo este artigo partindo do meu campo de observação e sem pretensão de opinar com profundidade, no campo psicológico das relações de trabalho. A intenção é trazer o assunto ao debate, por conta da quantidade de acionamentos que tenho recebido, semanalmente, por doenças relacionada a mente de trabalhadores.

Considerando que tenho acesso a vários ramos da economia, percebo que tal situação não é específica a um determinado segmento e ramo empresarial. Com a chegada abrupta da pandemia (ela escancarou uma janela que estava fechada) fomos testados severamente quanto ao equilíbrio mental e muitos se viram desprotegidos ou enfraquecidos quanto a isso. As fragilidades não suportaram o teste de stress e “muitas casas desabaram”.

Com o trauma sofrido, porque são milhares de pessoas que perderam entes queridos (sem contar as inúmeras sequelas), e, tudo isso aliado ao fechamento de negócios, distanciamento social, etc. estamos com 50% da população ativa, doente (avaliação particular minha, sem embasamento científico, aviso, é apenas um palpite!).

Porém, estimo esse número e indo mais longe, estou sendo conservador.

– Mas como resolver isso?

Fiz essa pergunta para vários especialistas no campo da psicologia e a resposta além dos tratamentos que já conhecemos e das terapias, me geraram algumas sugestões que me estimularam a escrever esse artigo;

Primeiro, se não cuidarmos dos que aparentam estarem gozando de boa saúde mental, estes poderão seguir para o mesmo problema e/ou serão contaminados pela metade do contingente;

Segundo, o fato de estar rodeado de pessoas doentes, sem ânimo para trabalhar, pode sim desencadear os mesmos problemas nesse micro universo coletivo;

Terceiro, a solução é o investimento ativo, pesado, em mecanismos que combatam esse fenômeno e que não espere (o empregador) que a doença se instale nas equipes;

Quarto, é preciso assumir as rédeas e cuidar “proativamente”, implantando rotinas semanais de exercícios que estimulem a mente dos empregados (colaboradores) a ter bons pensamentos;

Quinto, o indivíduo primeiro pensa, para depois converter o pensamento em ações (atitudes) ou omissões. Logo, as empresas precisam de mentes sãs, fortes, descansadas, que permitam aos times uma maior força de enfrentamento das dificuldades do dia a dia e a gerir os problemas pessoais e familiares, que todos temos.

Seguem algumas sugestões:

  • Criação de um comitê para estimular e divulgar boas práticas, voltadas a saúde mental;
  • Criação de uma agenda ativa, com eventos ( ex. palestras de psicólogos, leitura de artigos, exercícios laborais, etc.);
  • Conscientização dos gestores para que sigam uma cartilha de avaliação mental (a ser elaborada pelo RH) das suas equipes e que ajam preventivamente, ficando alerta aos sintomas;

A pandemia trouxe um convencimento – ainda para poucos gestores – de que a saúde mental não é mais uma questão secundária, mas prioridade máxima para que as empresas voltem a funcionar como antes, ou aliás, melhor do que antes.

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email