A SENTENÇA E A LIBERDADE DO MAGISTRADO

Por Marcos Alencar 21/01/2020.

Bem, não é de hoje que defendemos a posição de que o Juiz não é dono da sua sentença e que ele precisa respeitar não apenas a legalidade, quanto os limites do processo. (clique aqui >) Temos aqui no blog vários artigos defendendo o controle da legalidade, para que o Magistrado possa fundamentar as suas decisões, com total liberdade, mas dentro da Lei.

A Constituição Federal de 1988 exige que a sentença seja fundamentada na Lei (art. 93, IX da CF). O Magistrado não tem o poder para usar a sentença como uma tábua de lamentações suas, nem a ata de um processo, idem, o recinto da Vara. O abuso que ocorreu no caso em que motiva o nosso comentário, (Clique aqui >) a sentença proferida pelo Magistrado Jeronimo Azambuja Franco Neto, nos autos do processo nº 1001132-78.2019.5.02.0018, que esculhamba a forma como o atual Governo Federal vem agindo, usando expressões grosseiras e chulas, em uma ação trabalhista que nada tem a ver com a conduta do Presidente da República e equipe, é uma catástrofe, mas algo bom que ocorra para que o debate venha a tona.

Ele não é o primeiro a fazer isso. Há inúmeras situações, com parágrafos imensos e já prontos, de Magistrados defendendo as suas convicções políticas, religiosas,. suas crenças, como se a sentença fosse propriedade dele Juiz e não é. Cabe ao Juiz julgar o caso dentro do contexto, das provas, da previsão legal. Imagine se um advogado ocupa a Tribuna do STF, numa sustentação oral, para defender o aborto, a palestina, a fome na África, etc. – estaríamos a viver numa bagunça judiciária. Ora, atualmente existem inúmeras maneiras de se protestar. As redes sociais é apenas uma delas.

O Magistrado é um servidor público. Na acepção da palavra, servidor é quem serve, porém, para muitos que comparecem numa Vara do Trabalho a sensação é outra, é a de que o cidadão (os mais pobres, frise-se!) são os que precisam servir as Vossas Excelências, o que é um contrassenso e uma tremenda ilegalidade. Nos idos de 1980 o meu pai era magistrado no interior de Pernambuco e a revolta dele era tanta com esse rei na barriga de muitos, que obrigava a ter na chegada da Vara, na época Junta de Conciliação e Julgamento, uma faixa com os dizeres: “Qualquer pessoa pode falar com o Juiz”.

É exatamente isso, qualquer pessoa pode falar com o Juiz, porque ele recebe o pagamento do Estado, que vem do bolso do contribuinte, para servir e não para se acastelar e se entogar. A toga existe para diferenciá-lo e permitir que o cidadão saiba quem é o Juiz e não para torna-lo um superpoderoso e intocável. O Juiz que age de forma simples, sem arrogância e sem prepotência, é hiper respeitado por todos. A infelicidade da postura desse Magistrado é abissal, sem limites, porque usar o sagrado tempo que pouco existe para julgar os processos, pondo na sentença as suas convicções e revoltas políticas, é deprimente.

Eu critico ainda a postura do TRT de São Paulo, porque a nota emitida é uma valsa, fica em cima do muro e esquece-se dos deveres da magistratura. A nota saiu pior do que o soneto!

TRT-2 EMITE NOTA AO PÚBLICO SOBRE SENTENÇA PROFERIDA PELO JUIZ JERONIMO AZAMBUJA FRANCO NETO
Esta notícia foi visualizada 3382 vezes Publicada em: 20/01/2020 / Atualizada em: 20/01/2020

NOTA AO PÚBLICO

A respeito do teor da sentença proferida pelo Magistrado Jeronimo Azambuja Franco Neto, nos autos do processo nº 1001132-78.2019.5.02.0018, que movimentou notícias em várias fontes e em redes sociais nos últimos dias, noticia a Administração do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região que o assunto se encontra em apuração pelas vias oficiais já instituídas (Reclamação Disciplinar nº 1000108-35.2020.5.02.0000) e será informado à Corregedoria Geral da Justiça do Trabalho e à Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça.

O Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região esclarece que a fundamentação jurídica das decisões judiciais incumbe ao magistrado designado para julgamento, sendo de sua exclusiva responsabilidade qualquer posição que dela se possa extrair.

A Administração do Tribunal aguarda de todos a indispensável prudência e resguardo quanto a quaisquer comentários depreciativos, prevenindo a precipitação de conclusões fora do tempo, do lugar e das competências envolvidas no assunto.

RILMA APARECIDA HEMETÉRIO
Presidente do TRT da 2ª Região

RAFAEL EDSON PUGLIESE RIBEIRO
Vice-Presidente Judicial do TRT da 2ª Região

LUIZ ANTONIO MOREIRA VIDIGAL
Corregedor Regional do TRT da 2ª Região

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email