PEGADINHA: TST DIZ QUE EMBRIAGUEZ PODE SER MOTIVO DE JUSTA CAUSA.

Por Marcos Alencar 12/11/18.

Hoje 12/11/18 o Tribunal Superior do Trabalho me enviou mensagem que reputo como uma “pegadinha”, porque a manchete diz uma coisa e a essência/conteúdo do post é outra.

“O post” (recebido via wsp) diz o seguinte:

“Embriaguez em serviço pode resultar em demissão por justa causa.”

Eu entendi, pela manchete, que o TST tinha mudado a sua posição e fui assistir ao video (link: https://www.youtube.com/watch?v=s5y-WQOcVww ).

Na verdade nada mudou!

O TST continua negando a aplicação da justa causa por embriaguez habitual que está prevista no art. 482 da CLT.

Assistindo ao vídeo, a ministra deixa claro que sendo habitual, o entendimento é no sentido de que o empregado é um dependente químico, doente, e por tal razão não pode ter o contrato de trabalho rescindido por justa causa.

Deve o empregador (conselho dado pela Ministra Peduzzi) suspender o contrato de trabalho e encaminhá-lo ao INSS.

Eu considero esta posição do TST arbitrária e ilegal, já expliquei aqui e repito. A lei não prevê nada disso.

Já me posicionei em vários posts contra este entendimento, porque a Lei é clara (art. 482 da CLT) ao tratar de “embriaguez habitual” e a regra da CLT é considerar falta grave e permitir que o empregador demita por justa causa.

O TST peca ao decidir sem base legal e por se intrometer na matéria legislativa, ou seja, o Tribunal Superior cria uma interpretação que contraria a Lei , ou seja, flexibiliza a lei e inclusive prega que a embriaguez gera a aposentadoria por invalidez.

Dessa forma, todos os posts escritos aqui que alerto que a Justiça do Trabalho não vem cumprindo a Lei e negando a aplicação do art. 482, alínea f) embriaguez habitual ou em serviço – o que merece alerta aos empregadores. Não se pode, pelo entendimento pacífico do TST, se demitir um empregado por embriaguez habitual.

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email