A REFORMA SINDICAL, COMO FAZER?


Por Marcos Alencar 04/07/19

Meu Mestre e amigo, o Jurista José Paulo Cavalcanti Filho – me ligou na manhã do dia 02 de julho do corrente, para me dar uma orientação corretiva – que me motivou a escrever este artigo.

Neste mesmo dia, minutos antes da prazerosa ligação telefônica, eu havia participado (também por telefone) de um debate com Geraldo Freire (na coluna Pinga Fogo) sobre a matéria que considerou o Brasil, um dos dez piores países do mundo para se trabalhar – e por este motivo ele me ligou.

Nas idas e vindas, respondendo a indagação se a Reforma Trabalhista tinha piorado a qualidade de vida dos empregados brasileiros, eu respondi (no programa) que não podemos avaliar uma Reforma que impõe o direito negociado sobre o legislado – estando com toda a malha sindical, sendo sucateada por não ter mais o financiamento da contribuição sindical.

Na minha resposta eu pontuei que o Brasil precisa urgente, de uma Reforma Sindical (mas não disse qual, porque o tempo e o tema não era esse). Pois bem, JPC me liga e carinhosamente, como sempre me tratou, me diz a posição dele a respeito dos sindicatos no Brasil, em síntese, que precisamos seguir um modelo já aprovado (citando exemplos exitosos como Portugal, Estados Unidos, etc.) e que não podemos apostar jamais num modelo com 17.172 mil sindicatos e nem numa contribuição sindical que já foi extirpada por lei e por decisão do Supremo.

Anotei uma das frases de JPC: “Os velhos jornais já morreram e os novos ainda não nasceram.”

– Ele fez um paralelo com os sindicatos, ou seja, que o movimento sindical nosso precisa morrer para que um novo sistema nasça.

Eu não discordo do Jurista JPC e ressalto que devamos buscar uma alternativa nova, lógico, podendo utilizar modelos já aprovados, que deram certo em outros Países com a nossa dimensão (territorial e de habitantes).

O que eu disse na entrevista com Geraldo Freire e reitero, o Brasil precisa urgentemente de uma Reforma Sindical, porque não podemos ter uma Reforma Trabalhista que define o direito negociado acima do legislado, e, ao mesmo tempo, não termos sindicatos fortes e atuantes.

Quanto ao financiamento, a quantidade, a abrangência geográfica, sinceramente eu não tenho um modelo em mente que possa defender ardorosamente, mas o que tenho é isso – precisamos de uma Reforma, um novo modelo.

Vou repetir para ficar mais clara a minha indagação: O direito negociado só acontece, só surge e gera frutos, se tivermos sindicatos em mesa de negociação e para que isso aconteça precisamos de sindicatos estabelecidos, definidos e que realmente represente os trabalhadores e os empregadores.

O novo modelo precisa acontecer, para mim, através de uma Reforma Sindical que estudará previamente as melhores opções.

Sds Marcos Alencar

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email