livro_manualdoprepostomarcosalencar_banner (1)
Últimas notícias do TST:
Sexta, 19 de agosto de 2022

O SUPERAÇÃO DO DESEMPREGO

Capturar

Por Marcos Alencar (16/11/15)

A atual crise vem congelando vários mercados. O início se deu no ramo da Construção Civil e nas áreas imobiliárias, setores que primeiro são afetados na história das crises. Já estamos com todos os setores comprometidos, a indústria e comércio amargam prejuízos e quase zero de vendas.

Com a parada nos negócios, as empresas partem para ajustar a despesa corrente e fixa ao caixa que dispõem. A primeira despesa que se vê é a folha de pagamento. Se não existe mais demanda, não há motivo para se ter tantos empregados e com isso a onda de demissões se inicia.

Há empresas que demitem e indenizam e outras que “mandam” o trabalhador procurar os seus direitos na Justiça do Trabalho. Além dessa história está o otimismo em escrever este artigo (post), para o trabalhador que perdeu o emprego e que esta desempregado, principalmente os mais qualificados (que sofrem para encontrar um novo emprego recebendo o mesmo salário) não há outro caminho a não ser enfrentar a crise.

Passamos a sugerir um perfil de comportamento, através de alguns tópicos, que obviamente podem ser ajustados caso a caso. A nossa intenção é despertar os horizontes, pois ficar parado em meio a crise é a pior das estratégias.

Ao ser informado da demissão – Busque negociar a rescisão de contrato e pacificar o conflito. A pauta da Justiça, normalmente, é longa e não vai lhe proporcionar um recebimento rápido.

Busque novos horizontes – Não adianta chorar o leite derramado e pensar que poderia ter se comportado de outra forma no emprego passado, enfim, a página deve ser virada o quanto antes. Há uma pequena chance desse emprego ser retomado, porém, no médio e curto prazo não. Nenhum empregador vai demitir e arcar com o custo da rescisão, de forma indecisa. Portanto, busque novo horizonte e se concentre nisso, dedicando o seu tempo na busca de uma nova fonte de rendimento.

Evite o uso das reservas financeiras – Evite ao máximo usar as suas reservas financeiras, pois não se sabe quanto tempo vai durar esta crise e nem a sua falta de ganho mensal. Os gastos devem ser cortados com severidade, devendo ser preservados os investimentos. Veja a sua reserva como parte de um oxigênio necessário a sua sobrevivência.

A sua movimentação é importante – Como explicado antes, ficar parado achando que assim nada se gasta, não é uma boa opção. O desempregado precisa se movimentar e buscar novos negócios. O dia possui 24 horas e grande parte desse dia deve ser usado para pensar meios de encontrar a nova fonte de renda. Se mexer é importante. Tente lembrar como se deu a conquista dos empregos que teve na vida e veja que às vezes uma indicação é que resolve o problema. A busca deve se limitar num primeiro momento dentro da sua especialidade, não tente se aventurar por segmentos que não domina.

A família – É importante que a família esteja ciente de tudo, para que ela compreenda e apóie as medidas de corte de despesas, a mudança de comportamento, as cobranças, enfim. O problema deve ser compartilhado e não filtrado.

Os credores – Precisam também estar cientes da nova situação e deve ser negociado novos prazos e carências para pagamento das dívidas. O que não deve ser feito é se esquivar dos credores, pois isso só aumenta as dívidas e cria-se mais problema futuro. Melhor que se busque uma solução no contato sincero. No momento de crise, as dívidas são renegociadas com maior facilidade por conta da falta de liquidez no mercado.

O trabalho gratuito – Não busque ocupação apenas. Trabalhar de graça vai gerar a perda de tempo e a falta dele para encontrar um bom emprego. O fato de estar sem uma obrigação diária é muito ruim do ponto de vista psicológico, mas procure utilizar este tempo para estudar formas de encontrar uma nova fonte de renda. Ocupar-se apenas, não resolve.

Manter a calma – O nervosismo é comum quando o ser humano não tem horizonte. No Brasil de hoje, a simples leitura de um jornal é suficiente para ficar nervoso e pessimista. Evite o pessimismo, busque a calma, tente refletir e entender que na crise há setores que estavam estagnados e que passam a reagir e a produzir lucros. Portanto, apesar de não ser fácil o novo emprego, com nervosismo isso ficará mais distante ainda.

Continue investindo no Networking – Em todas as necessidades de empregabilidade, com ou sem crise, o “quem indica” tem um valor inestimável. Quem não é visto não é lembrado. Portanto, não adianta se fechar como uma concha para esperar a crise passar, pois dessa forma pode ser que a crise termine e continue viva na sua vida. Procure se relacionar com os amigos de sempre, explicando o que procura e tentando abrir novas portas. O relacionamento é um bom caminho para encontrar uma fonte de renda.

Por fim, observe que tratei no artigo em “fonte de renda”. Isso quer dizer que o fato de ter ou não uma carteira profissional assinada, é irrelevante. O que se deve buscar é uma ocupação que gere bons frutos. Se esta será materializada com a assinatura de um contrato de trabalho, ou de forma autônoma, ou através de um pequeno negócio ou sociedade, se arrisque. A crise que abate ao desempregado é financeira, dessa forma, procure recuperar os ganhos pois este é o objetivo mais imediato.

Compartilhe esta publicação

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email