Alguns motivos para ser CONTRA a Portaria 1510/09, do Ponto Eletrônico.

Escrito por Marcos Alencar   // fevereiro 25, 2011   // 19 Comentários

PORTARIA 1510 rep

ALGUNS MOTIVOS PARA SER CONTRA A PORTARIA 1510/09, do Ponto Eletrônico.

Olá,

Eu sei que a Portaria entra em vigor daqui alguns dias, em 01 de março de 2011. Sei que há decisões favoráveis. Que empregadores que já compraram o REP, etc etc etc… Mas, para mim a Portaria continua sendo a mesma “barca furada” de quando a critiquei dias após a sua publicação, lá nos idos de agosto de 2009.

Eu imaginei que ia ser esse rebuliço. Fiz o que pude para alertar o grande equívoco que foi editar este arrazoado com cara de Lei. Uma Lei falsa, porque não foi votada.

Eu acho engraçado, hoje, alguns escrevem que quem acreditou na Portaria não pode sofrer prejuízo. E quem comprou um sistema completo de ponto eletrônico em março de 2009, vai ser ressarcido? E os que fabricaram este equipamento que agora vai para sucata? Eles vão receber algum bônus? Eu tenho pena de ambos os lados e de toda essa turbulência que o Ministro do Trabalho vem causando no mercado. A portaria é a grande vilã. Não existe vitória em apoiá-la e nem em censurá-la. Somos todos vítimas dessa desordem legal.

Tenho alguns motivos para ser contra a Portaria. Não estou dizendo aqui que esses motivos, que vou transcrever abaixo, são invencíveis como a memória do REP, podem até ser motivo de bombardeio dos inúmeros comentários que prazerosamente recebo, e que muitos superam o post escrito, comentado.

Vamos lá:

Violação a Lei.  O Sr. Ministro fez às vezes do Congresso, pois vestiu-se de Câmara e Senado e criou a Lei do Ponto Eletrônico. A Portaria é uma Lei não votada. Viola-se a simplicidade da CLT, que retrata o registro de ponto como uma ação normal, de se anotar a hora que entra e a hora que sai do serviço. A parafernália de obrigações, violam o art. 5, II da Constituição, que prevê que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude da Lei. O Ministro só tem competência para editar Portaria, com corpo de Portaria, conforme art. 87 da Constituição Federal (Compete ao Ministro de Estado, além de outras atribuições estabelecidas nesta Constituição e na lei: II – expedir instruções para a execução das leis, decretos e regulamentos;)  Apesar dos Julgados favoráveis, continuo entendendo assim.

Da impossibilidade de fraude. O alto preço do equipamento é justificável pela quantidade de acessórios que visam dar ao relógio de ponto uma invencibilidade. Me lembro dos filmes de Batman, em Gothan City. E se a fraude do bypass continuar? Essa palavra em inglês quer dizer “desvio”. Se o empregador fraudador desviar os seus empregados do caminho portaria 1510 e o batmando REP? E ..obrigá-los a trabalhar sem bater o ponto? (isso não é invenção da minha mente, mas notícia de depoimentos em muitos processos trabalhistas “Doutor eu batia o ponto e voltava para trabalhar..”) Será que mesmo assim ele vai marcar o ponto, milimetricamente? Ou vai disparar uma sirene lá no gabinete do Ministro, como acontece em Gotham com o Comissário Gordon? – Um familiar próximo a mim teve o cartão do banco clonado pela quarta vez, nos últimos seis meses. Será que esse sistema do REP é mais possante que os sistemas de proteção que servem aos Bancos? Bem, se for, recomendo ao Itaú e Bradesco contratarem o Ministro, ops… ao Pentágono também, porque um dia desses a segurança da fortaleza americana foi hackeada (Gary McKinnon foi detido pela polícia britânica em 2002 depois que promotores dos EUA o acusaram de acesso ilegal a computadores do Pentágono, Exército, Marinha e Nasa, e de causar danos de 700 mil dólares.). Será que o nosso REP supera tudo isso?!? Então, chama o Obama também para reunir com o Ministro, para que ele repasse o know-how da Portaria 1510/09.

Do sucateamento dos sistemas eletrônicos até então.  A Portaria 1510/09 criou uma vala, feito àquelas que surgem após um grande terremoto, entre o que existia de sistema de ponto eletrônico e o REP. O que está do outro lado da vala, foi condenado à morte. Fazendo um paralelo, é mais ou menos assim, o Ministro dos Transportes , Alfredo Nascimento, criou uma Portaria 0001/11, dizendo que a partir de 01.03.2011, só podem trafegar nas ruas carros com 3 rodas e que os de 4 rodas 527531_2cvestão obsoletos, são um perigo na rua e segundo um estudo e estatísticas que ninguém viu e nem sabe, pesquisas secretas que duraram mais de seis meses e realizadas por pessoas que jamais foram treinadas para isso, top secret mesmo, nos garantem que num carro de 3 rodas você nunca mais vai se acidentar no trânsito. Como é que fica àquele cidadão que sonhou com seu primeiro carro e comprou um Gol zerinho em dezembro de 2010? Reclama para quem? O Papa? É, porque a partir de terça só pode trafegar carros de 3 rodas, com detalhe, a Volkswagen não tem esse veículo, você vai ter que se contentar com outros fabricantes que conseguiram desenvolver o auto-triciclo. É um absurdo engessar o desenvolvimento tecnológico, impedindo que outros mecanismos eletrônicos sejam desenvolvidos. Sei que não sou expert no assunto, mas é essa a sensação que tenho.

Da inversão do ônus de prova. Com a entrega dos 4 tickets diários, 22 semanais, e mais de 100 mensais, passa a ser do empregado a obrigação de provar na Justiça que fazia horas extras e não as recebia corretamente. O documento estará sendo entregue, devendo o empregado ter o seu arquivo particular dos papeluchos. Se ele trabalhar por cinco anos,  serão apenas sessenta meses vezes cem, que soma seis mil tickets. Mas, vamos crer que o empregado seja muito organizado e guarde tudo. No dia da audiência ele entrega na mesa ao Juiz da causa, um caixote com os tickets. Vamos acreditar que o Juiz adora isso, recebe de braços abertos e com imenso prazer o tal arquivo, mas…quem é que vai fazer as contas?!? Um perito? Uma perícia dessas custa quanto? Será que operacionalmente vai dar certo? Vai ajudar a Justiça na busca da verdade? E se o empregador impugnar os tickets e dizer que eles são falsos e o que vale é o REP e que a perícia será nele? Será que o Juiz vai confiar no REP ou nos milhares de tickets?

Da contabilização dos atrasos. Na prática, muitos empregadores perdoam os atrasos. Com o REP isso vai ter que acabar, porque a temática é que todos os excessos e todos os atrasos sejam registrados e inalterados permaneçam. Eu imagino que muitos irão sofrer descontos, verdade que só é permitido descontar atraso maior do que 10min diários, mas com esse trânsito, enchentes, maravilhoso transporte público que temos nas Capitais, acho pouco essa tolerância.

Será que o REP é ecologicamente correto? Lógico que não. A quantidade de papel, mesmo reciclável, que vai ser gasto é um contra-senso.

O REP acirra as relações de trabalho. O empregado todos os dias de posse do ticket vai questionar o excesso do dia anterior, ou o desconto do atraso, ou porque ele esqueceu de bater o ponto e trabalhou. O empregador por sua vez acha que comprou o REP e que todos os seus problemas serão resolvidos, e não vai ter estrutura para resolver todos esses questionamentos. Naturalmente, isso que estou aqui prevendo, é um palpite.

A falta de isonomia e a prevalência dos ricos sobre os pobres. Pelas palavras de muitos que defendem o REP, os empregadores que desistirem do ponto eletrônico e migrarem  para o manual e mecânico, vão ficar rotulados de fraudadores, de foras da lei. Os que não tem dinheiro para comprar a super máquina de ponto, idem. É importante que se lembre que às vezes um só REP não atende. Muitos empregadores trabalhavam com um relógio central e com vários leitores óticos espalhados pela empresa, coletores. Suprir tudo isso será necessário um alto investimento. Muitos que não tem dinheiro para destinar para isso. O Ministro deveria ter feito um convênio com o BNDES para financiamento de REPs, sério, isso seria uma forma de atenuar esse custo.

É isso.

Sds Marcos Alencar


Tags:

carlos lupi

comprar relógio de ponto

comprar REP

fiesp

fiesp nota oficial ponto eletrônico

lupi

ministro carlos lupi ponto eletrônico

paulo skaf portaria 1510

pdt

ponto eletrônico

portaria 1510

portaria do ponto eletrônico

queda ministro lupi

registro eletrônico de ponto

relógio de ponto

relógio eletrônico de ponto

relógio portaria 1510

saída do ministro do trabalho

tv globo

vigência do ponto eletrônico


Similar posts

19 COMENTÁRIOSS

  1. By Osmar Pedro, 25 de fevereiro de 2011

    Prezado Sr. Marcos,

    Permita-me contrapor abaixo a sua análise:

    Violação a Lei

    Sinceramente não vejo violação da lei pois o REP sempre foi um equipamento opcional. Nenhuma empresa é obrigado a utilizá-lo. O que o MTE fez foi exigir um equipamento cuja memória não pudesse ser alterada ou apagada, equivaleria a exigir que a anotação no livro-ponto fosse feita a caneta e não a lapis. Ora, essa regulamentação está perfeitamente de acordo com as atribuições do MTE previstas em lei (CLT).

    Da impossibilidade de fraude

    É claro que o REP não evita todo tipo de fraude. Mas você acha que pelo fato dos air-bags não evitarem a morte dos motoristas em alguns casos devem ser extinguidos ? Veja que com o REP elimina-se aquela fraude unilateral, realizada apenas pelo empregador atrás de uma mesa de computador. Aquela fraude em que o empregado não é partícipe mas apenas vítima. É claro que isso é um avanço para o trabalhador.

    Do sucateamento dos sistemas eletrônicos até então

    Veja que praticamente não se vende mais sistemas eletrônicos não permitidos pela portaria a quase 2 anos. Então a grande maioria dos equipamentos possuem 3, 4 ou 5 anos, encontrando-se já muito próximos do sucateamento natural para este tipo de produto.

    Da inversão do ônus de prova

    Não vejo por que o ônus da prova tenha que ser invertido. Veja que os comprovantes são apenas para conferência e acompanhamento do trabalhador. Obviamente que ele não precisa guardar todos os comprovantes. Em caso de demanda judicial, o próprio REP servirá como prova, uma vez que possui memória inviolável. Se isso não é segurança para os dois lados não sei o que mais poderia ser.

    Da contabilização dos atrasos

    O empregador pode perfeitamente abonar atrasos quando bem entender, anotando as devidas justificativas no Relatório Espelho de Ponto, no espaço denoinado “Tratamentos efetuados sobre os dados originais”.

    Será que o REP é ecologicamente correto?

    Sem demagogias neste item. Obviamente que nenhuma arvore nativa será cortada para fabricação deste papel, mas somente aquelas provenientes de reflorestamento. Por que será que ninguém reclama dos recibos dados nas máquinas de cartão de crédito ?

    O REP acirra as relações de trabalho

    Não concordo pois a existência de um equipamento inviolável servirá como guardião da verdade em relação à anotação do ponto.

    A falta de isonomia e a prevalência dos ricos sobre os pobres

    Caro Marcos, qual empresa com mais de 10 funcionários não poderia investir 2.000 reais na compra de um equipamento de ponto, sendo que muitos fabricantes ainda aceitam parcelamento. Sugiro a você que busque no google sobre os preços atuais dos REPs.

    Com cordiais saudações,

    Osmar

  2. By Ana Célia, 25 de fevereiro de 2011

    O papel térmico não é reciclável.

  3. By PATRIK, 25 de fevereiro de 2011

    Grande Marcos Alencar

    Como vai esta luta?

    Se o Ministro do Trabalho e Emprego tivesse 10% do seu intelecto, já seria o suficiente para ele não ter criado este REP da maneira que foi criado.

    Sei que não é nem uma novidade, mas você arrasou novamente neste novo artigo. Parabéns!

    As únicas dúvidas que eu tive não esta nem no seu texto, que é muito verdadeiro por sinal, e sim no texto do Senhor Osmar Pedro. Se a Portaria fosse extinta hoje quem seria mais prejudicado? Respondo sem dúvidas que seria o empresário que já investiu no REP e principalmente os fabricantes de REP que acreditaram na Portaria 1510. Então o Senhor Osmar é um empresário que investiu no REP? Claro que não, pois eu conheço vários que investiram e guardaram no estoque para instalar somente se a portaria vingar. Então não restam dúvidas de que o Senhor Osmar é fabricante de REP, ou parente, ou funcionário de um.

    Violação a lei

    Nota-se que o forte do nosso amigo não é o setor jurídico. Claro que houve violação da lei, principalmente da maneira que foi imposta para todos, sem discutir com ninguém, sem pegar opinião, sem ponderar o reflexo que teria. No regime de ditadura que era assim lembra?

    Da impossibilidade de fraude

    Os Relógios de ponto tradicionais sempre foram seguros e 99.9% das fraudes ocorriam nos Softwares que davam permissão para alterar os dados e não nos Relógios. Sabemos que existem os empresários honestos e os desonestos e que os desonestos não vão virar anjos por causa do REP. O que o Senhor Marcos Alencar comentou é a mais pura realidade, pois esses empresários desonestos irão obrigar os funcionários a darem saída no horário correto e fazer horas extras sem marcar o ponto.
    Do sucateamento dos sistemas eletrônicos até então
    Não entenda como implicância Senhor Osmar, mas eu não concordo novamente contigo. Na verdade a quase 2 anos não se vende nenhum sistema de ponto. Nem o antigo e nem o da Portaria. Basta ver o giro mensal de vendas das maiores fabricantes de relógio do país que você verá que o empregador estava sempre trocando os equipamentos quando apresentavam algum problema. Não existe sucata.

    Da inversão do ônus da prova.

    Senhor Osmar, seria assim se realmente o REP eliminasse qualquer tipo de fraude, mas vimos nos exemplos citados que o empresário desonesto conseguirá fraudar mesmo com o REP. Então quando o funcionário cobrar uma hora extra, por exemplo, não terá nem se quer a papeleta para comprovar.

    Da contabilização dos atrasos

    Concordo contigo Osmar, mas você sabe que muitos empresários estão interpretando a lei de maneira equivocada. Eles estão entendendo que não pode mexer em nada no arquivo do REP, então para aquele esquecimento de marcação que antes era corrigido, muitos não vão corrigir, para aquele atraso que acorria muitos que acertavam agora não vão acertar mais. Neste caso o funcionário será punido. Quando ao limite de atraso e as enchentes eu prefiro nem comentar.

    Será que o REP é ecologicamente correto?

    Claro que não é. Como você acha que fica o solo com este reflorestamento que existe? Estou falando apenas do solo sem falar no processo químico que existe para se fazer um papel. Para o seu governo Senhor Osmar, existem produtos indestrutíveis utilizados para fazer uma árvore virar papel. Você sabe onde este produto é descartado?

    Custo do REP

    Outra coisa que eu não concordo Senhor Osmar. Dois mil deve ser o preço de venda da sua fábrica para o revendedor. Um equipamento deste com configuração boa não sai por menos de R$3.500,00 para o cliente final.

    Abraço a todos,

    PTK

  4. By Ricardo, 25 de fevereiro de 2011

    Osmar Pedro
    Sintese perfeita da boa argumentação. Parabens!

  5. By Jade Abreu, 25 de fevereiro de 2011

    eu não entendi nada; se o MTE regulamentou o POnto Eletronico, e ainda não obrigou o uso, onde está a inconstitucionalidade?

    aqui na matéria li isto: O Ministro só tem competência para editar Portaria, com corpo de Portaria, conforme art. 87 da Constituição Federal (Compete ao Ministro de Estado, além de outras atribuições estabelecidas nesta Constituição e na lei: II – expedir instruções para a execução das leis, decretos e regulamentos;

    então, regulamentou, não é?

  6. By Maria da Conceição, 25 de fevereiro de 2011

    Senhores,

    Acredito que quando o Dr. Marcos fala da violação da lei não é porque ele está dizendo que a Portaria estaria obrigando o empregador a adotar o REP, o que a Portaria está fazendo é OBRIGAR quem tinha um relógio de ponto que funcionava perfeitamente a trocar por outro. A OBRIGAÇÃO não prevista em lei é da TROCA e não da ADOÇÃO!

  7. By Cleber, 25 de fevereiro de 2011

    Pois é, Dr.

    Deveria ter escancarado desde o início que defende os direitos dos empregadores e não dos empregados.

    Isto é legítimo, é claro, mas a emissão de opinião com objetivos claros de promoção é lamentável. É não enxergar o que os ‘patrões’ fazem por aí…

    Alerto que entendo que a Portaria poderia ter algumas melhorias, mas que o objetivo e as amarrações são muito bem feitas, não há dúvidas!!!

    Forte abraço.

    Cleber.

  8. By Marcos Alencar, 26 de fevereiro de 2011

    Prezado Senhor,

    Apesar da forma deselegante do seu comentário, um dos motivos para inclusive ser deletado, pois viola as regras da civilidade, lhe respondo para recomendar a leitura de todos os posts que escrevi até o presente momento, desde a edição da portaria, em todos eles, comento da mesma forma dando a minha particular opinião. Eu fico lisonjeado com o tumulto que uma simples opinião minha tem causado nesse meio. O detalhe, é que não me importo com as críticas, acho que é bom, faz parte do debate. Quando me deparo com um comentário feito o seu que ataca a minha pessoa ao invés de discordar das minhas idéias, só me estimula. Eu já estou sendo apelidado do “calo da portaria 1510″. Mais uma vez reitero, não quero mudar o pensamento de ninguém, apenas deixar o meu a mostra. Quem quiser, que siga. Vivemos num País democrático no qual é permitido usar das palavras como arma de pura expressão. Não estou fazendo nada além disso. Sds Marcos Alencar.

  9. By Marcos Alencar, 26 de fevereiro de 2011

    Prezada,

    Quando falo que o ministro viola a Lei, é porque ele criou uma. Impedir que as pessoas que investiram num sistema eletrônico de ponto, passem a usar um único formato, cria um ônus que somente uma Lei poderia prever. Além disso, essa opção que o ministro deu de se migrar para outros sistemas, manual e mecânico, em algumas empresas, isso é inviável, porque já investiram em folha de pagamento atrelada ao ponto e não será fácil mudar. A Constituição Federal não autoriza a nenhum ministro interferir no ordenamento jurídico como ele está fazendo. É verdade que o Poder Judiciário Trabalhista e Procuradores do Trabalho, apoiam a iniciativa do ministro, logo, através da justiça dificilmente a portaria irá cair. Eu também entendo, por exemplo, que a Lei da ficha limpa é moral mas não é legal, porque se condena alguém antes de findo o processo. Não sou candidato a nenhum cargo político, nem tenho blog patrocinado precisando de acessos e mais acessos, por conta disso escrevo aqui o que penso e o que entendo estar errado, quem discordar, fique livre para se manifestar. Sds MA

  10. By cassia manfredi, 26 de fevereiro de 2011

    Sr Marcos, continue na luta contra portarias desnecessárias e demagógicas.

  11. By Evandro Teixeira, 28 de fevereiro de 2011

    Sou uma revenda autorizada de relogio rep, porem sonfredor pois esta portaria esta fazendo todos de palhaços, primeiro vale ate uma determinadpa data depois outra data. Os empresarios não vao adquiri nunca os equipamentos desta forma pois cada vez que a portaria entra em vigor aparace uma nova data ai nossos estoques fica estaguinados. Sera que o ministro não estavendo que todos vão deixa para ultima hora e que não adianta de nada fica prorrogando esta portaria pois empresarios ja estão acostumado a com esta palhacada e não vao adquiri estes equipamentos nunca.
    E quem se ferra somos nos fabricantes e revendas que investiram uma monte de dinheiro para se adequar a nova portaria e o que recebemos e isso.Nossos Vendedores em uma reunião comentaram que ja somos motivos de chacotas pois os empregadores não acreditam mais nesta portaria.O senhor ministro do trabalho deveria dar um basta nisso e cancela logo esta portaria ou valida isso de uma vez por todas.

  12. By Junior, 2 de março de 2011

    Este ministrinho é um fanfarrão… também sou revenda de REP, desde o início agi com prudência e tentei trabalhar como consultor dos clientes, sempre avaliando a situação e repassando para os mesmos, e esta posição me ustou a perda de alguns deles paara as revendas oportunistas. Acredito na boa vontade da Justiça do Trabalho (leiam um artigo do Dr. Vargas, desembargador da 4 região no site da ANAMATRA http://www.anamatra.org.br) na adoção da medida, quem entornou o caudo foi o MTE. Vergonhoso, falta credibilidade, falta ser homem, não estou aqui defendendo este ou aquele ponto de vista, mas sim expressando meu descontentamento com as atitudes do MTE.

  13. By Jose Luiz Netto Dal Medico, 3 de março de 2011

    Este ée um sistemar que desenvolvi (e funciona integralmente há aproximadamente 8 anos, a seguir leiam a capacidade dele (abaixo):
    - SISTEMA GESTOR DE PONTO (ELETRÔNICO) -
    Sistema Personalizado e Protegido por Senhas
    O Relógio de Ponto, é o seu próprio Computador), equipado com Leitor Ótico
    (para a leitura do Código de Barras).

    O identificador do funcionário, será a Carteira Funcional, com Código de Barras (fornecida e
    cobrado à parte por Dal Médico Informática-Rio).

    A confirmação do “Ponto” é efetivada com a Carteira Funcional (crachá) e Senha Pessoal podendo
    (opção) ser incluído a foto pessoal do Funcionário.

    Total contrôle das “Horas Extras” trabalhadas (somente quando autorizada por funcionário
    responsável).

    Total contrôle sobre funcionários “atrasados”

    Total contrôle nas “saídas antecipadas” (somente autorizado por funcionário responsável).

    Total controle do Cadastro Funcional (inclusive dos demitidos).

    Verificação instantânea de funcionários ausentes e presentes.

    Emite o “Cartão de Ponto” (a qualquer momento e com todas as exigências da C.L.T.).

    Obedece ao intertício de 11 horas entre as jornadas de trabalho.

    Escala de “Folgas Fixas e Móveis”.

    Contrôle de Férias

    Calendário de Feriados Moveis e Fixos (ajustados anualmente).

    Banco de Horas.

    Folha de Pagamento e respectivo Recibo (com todos os encarsos de Lei.

    Fornece o relatório financeiro da Folha tais como: horas normais, horas extras, e

    todos os encargos tributarios, financeiros, previdênciados, sociais e trabalhistas.

    Relatórios diversos. Toda a documentação é personalizada.

  14. By Jose Luiz Netto Dal Medico, 3 de março de 2011

    Como fui explicito acima, não vejo como que um Ministro queira impor um equipamento deste, simplesmente uma maquineta que depende de um computador? Ora, se si pode fazer uma aplicativo como o Relogio de Ponto Eletronico com o próprio computador! Será que haverá algum “bonus particular” para que se imponha um equipamento deste (bem caro que um computador)?

    Acho estranho isto, ou será que o computador dele não seja confiável?

  15. By Almeida, 9 de março de 2011

    Toda empresa, independente do segmento, tem que estar atento as mudanças naturais que o próprio comercio, governo cria. Cabe a ela, se adaptar ou não a forma que lhe couber. A vida é mesmo assim: quem não acompanha a evolução fica para tras. Se eu fosse um desenvolvedor de sistema, e percebesse que a portaria estaria me barrando no mercado, pensaria meus conceitos, poria na balança todos prós e contras, e então buscaria uma solução mais viável para a vida de minha empresa, E NÃO FICAR FALANDO QUE O MINISTRO É UM FANFARRÃO OU ISTO OU AQUILO OUTRO. Estamos em um país que o povo merece o que tem, pois o governo é um fruto do povo.

  16. By Almeida, 9 de março de 2011

    Agora, para fazer justiça, acredito que o MTE esteja em falta com a sociedade como um todo. Tinha que ser mais claro e transparente em suas decisões.

  17. By Ana Célia, 10 de março de 2011

    E então, Almeida?

    Você investiria nas loucuras do tal Ministro ou tentaria uma forma de investir só depois que ele fosse mais claro e transparente em suas decisões?

  18. By Juliana, 14 de agosto de 2012

    Essas são questões que me parecem extremamente pequenas quando colocadas em frente a situação de milhares de trabalhadores. Ter que trabalhar horas extras, viver esgotado, trabalhar finais de semana e feriados em empresas gigantescas que poderiam muito bem pagar essas horas, mas tratam seus funcionários na base do terrorismo e falta de respeito.

  19. By sheila, 2 de julho de 2013

    A empresa onde trabalho o ponto não sai nenhum tipo de comprovante, o ponto é batido no telefone ramal de cada setor. Não temos nenhum tipo de comprovante e também assinamos todo dia a folha de ponto impressa.

Nós aqui debatemos ideias, não respondemos consultas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing