Alergia ao EPI. O que fazer?

Escrito por Marcos Alencar   // setembro 2, 2010   // 3 Comentários

Quando o empregado tem alergia ao EPI, o que fazer?

Prezados Leitores,

Recebi questionamento a esse respeito. Consultei especialistas da área de segurança e a resposta que tive foi muita clara e objetiva, a qual concordo. As Normas Regulamentadoras, PPRA, PCMSO, que são mecanismos de análise de riscos pelo exercício do trabalho, não preveem nenhuma exceção para que o empregado não use o Equipamento de Proteção Individual. Imagine um trabalhador que por problemas tais não possa usar o cinto de segurança em altura? A resposta que obtive e avalizo é que se o empregado for alérgico ao EPI deve se buscar uma forma de protegê-lo alternativamente, mas com laudo assinado por um Engenheiro de Segurança e homologado perante as autoridades competentes do Ministério do Trabalho. Caso não tenha jeito, cabe ao empregador trocá-lo de função, justificando, ou até mesmo rescindir o contrato de trabalho sem justa causa.

Sds Marcos Alencar


Tags:

acidente de trabalho

alergia ao epi

cadastro do epi

cinto de segurança epi

compra de epi

contrato de trabalho

Dano moral

demissão pelo não uso do epi

demissão por justa causa

epi adaptação

epi uso

equipamento de proteção coletiva

Equipamento de Proteção Individual

ficha de epi

fiscalização de epi

Justiça do trabalho

pcmso definição

ppra definição

segurança do trabalho

venda de epi


Similar posts

3 COMENTÁRIOSS

  1. By Eli Almeida, 12 de setembro de 2010

    Discordo desta afirmação defendida pelo especialista em segurança, quando ele cita que o engenheiro, especializado em segurança do trabalho, é quem emite um Laudo. Discordo, também, quando ele diz que o especialista em segurança busque alternativas para proteger o empregado em serviço de altura. Na verdade, este trabalhador deve ser encaminhado para um médico especialista em alergia, que após exames médicos, emite orientações a empresa. Por outro lado, a reação alérgica pode ser, por exemplo, devido a composição do material que é feito o cinto de segurança.Se este equipamento fosse trocado por outro confeccionado de material diferente.Portanto, é o medico que emite este Laudo e não o engenheiro especialista em segurança do trabalho.Com relação a busca de alternativas, para quem trabalha em altura e não usa o cinto de segurança, não existe alternativa.A Norma é clara e objetiva, todo trabalho realizado acima de 2 metros de altura é obrigatório o uso do cinto de segurança por parte do empregado.Se este funcionário não pode usar o cinto de segurança, devido a problemas alérgicos, a empresa deve promover mudança de função para ele. Já desligar de seu quadro funcional, o empregado poderia alegar discriminação e outro danos no ambiente de trabalho.

  2. By Laercio Silva, 13 de setembro de 2010

    JONILDO DE OLIVEIRA CASADO deixou um novo comentário sobre a sua postagem “Quando o empregado tem alergia ao EPI, o que fazer…”:

    ACHO PERTINENTE A PREOCUPAÇÃO COM O REFERIDO ASSUNTO EM TELA, PORÉM NÃO CONCORDO COM A MEDIDA DE DEMITIR MESMO SEM JUSTA CAUSA, A ULTIMA PESSOA QUE DEVE SER ATINGIDA E/OU PREJUDICADA É O TRABALHADOR, ELE NÃO É CULPADO POR APRESENTAR UM PROBLEMA ORGANICO OU FÍSICO QUE NÃO PERMITA A UTILIZAÇÃO DE QUALQUER TIPO DE EPI;
    ESSES PROBLEMAS DEVEM SER VISTOS DURANTE OS EXAMES ADMISSIONAL, AI SIM SE DEFINIRIA PELA SUA CONTRATAÇÃO OU NÃO, MAS DEPOIS QUE O CONTRATA É QUE SE DETECTA A REJEIÇÃO,ALERGIA OU FALTA DE ESTRUTURA ÓSSEA PARA TAL EVENTO;
    ESSES EXAMES COMO O PRÓPRIO NOME DIZ ADMISSIONAL AI SIM DEVEM SER PREVISTOS ANTE AS TAREFAS QUE O PRETENDENTE IRÁ ASSUMIR, QUAIS OS EXAMES DIRECIONADOS A DETECTAR QUALQUER ANOMALIA QUE HABILITE OU NÃO PARA FUNÇÃO PRETENDIDA, MAS ACHO QUE OS MESMOS EM SUA MAIORIA SÃO BASTANTE SUPERFICIAIS, HAJA VISTO, QUE PRATICAMENTE É O PRÓPRIO PRETENDENTE A VAGA QUE RELATA SEUS POSSÍVEIS OU NÃO DEFEITOS, QUE ENTRE LINHAS PODEMOS ATÉ AFIRMAR SEM SOMBRA DE DÚVIDAS NINGUÉM IRÁ APRESENTAR PROVAS CONTRÁRIAS A SI PRÓPRIO, S.M.J..
    DEIXO AQUI MEU PENSAMENTO COM RELAÇÃO A TODOS OS PROGRAMAS EXIGIDOS, POIS OS MESMOS DEVERIAM PASSAR PELO CRIVO DA ENTIDADE GOVERNAMENTAL COMPETENTE, SOFRENDO UMA ANÁLISE MESMO QUE NÃO SEJA APROFUNDADA, MAS IMPORTANTE É QUE SEJA REALIZADA ANTES QUE OS REFDERIDOS PROGRAMAS ENTREM EM AÇÃO NAS EMPRESAS.
    POR EXEMPLO: NO CASO DE UM PRETENDENTE ALMEJAR A FUNÇÃO DE SERVENTE, SABEMOS QUE A EXIGÊNCIA MAIOR NÃO É DE CONHECIMENTOS OU TITULAÇÃO, MAS SIM DE QUE O MESMO TENHA UMA PERFEITA ESTRUTURA ÓSSEA PRA SUPORTAR AS CARGAS ADVINDAS E PRÓPRIAS DA ATIVIDADE A EXERCER.
    EX:DESCARREGAAR CAMINHÕES, TRANSPORTAR LATAS DE MASSA, ALÉM DISSO A MAIORIA DAS POSTURAS EXIGEM MUITO DE SUA ESTRUTURA ÓSSEA, ALÉM DE TEREM QUE SERREM TOMADAS DE MODO ADEQUADO, PARA NÃO PERMITIR FUTURAS LESÕES QUE IRÁ LHE ACOMPANHAR PRA O FIM DA VIDA.
    ESTAMOS SEMPRE APRENDENDO NO NOSSO DIA A DIA E COM OS OUTROS.

    JONILDO CASADO
    TEC. SEGURANÇA

  3. By Jaqueline Tavares, 8 de fevereiro de 2012

    Concordo plenamente com vc amigo Eli Almeida,quem devi verificar esses caso não é o engenheiro especialista em segurança do trabalho e sim o alergologista que é especialista em alergia.
    Então no ato da admissão o médico deve verificar esse tipo de alergia ou simplismente perguntar ao funcionário se ele tem alguma alergia dos equipamentos de segurança.

Nós aqui debatemos ideias, não respondemos consultas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing