VIDEO. Diarista ou Empregada Doméstica?

Escrito por Marcos Alencar   // fevereiro 8, 2010   // 3 Comentários

QUAIS AS DIFERENÇAS ENTRE A DIARISTA E A EMPREGADA DOMÉSTICA?

 

Prezados Leitores,

No vídeo esclarecemos de forma clara e objetiva as diferenças entre a diarista, que é autônoma, e as domésticas, que são empregadas registradas pela CLT. O nosso comentário visa orientar e esclarecer quem é quem, evitando que o suposto empregador imagine ter uma diarista na sua residência e na verdade, na realidade, se trate de uma doméstica clandestina e sem registro, o que gera um enorme passivo trabalhista e previdenciário.

JURISPRUDÊNCIA

14/12/2009
Diarista: não há vínculo de emprego quando trabalhador faz seu próprio horário

 

Falta de subordinação e eventual prestação de serviços foram aspectos essenciais para a Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho julgar improcedente o pedido de reconhecimento de vínculo de emprego entre uma faxineira e a Bicicletas Caloi S/A. O reconhecimento havia sido deferido pela Justiça do Trabalho do Rio Grande do Sul a uma trabalhadora que exercia suas atividades durante até duas vezes por semana, e chegou a ficar mais de dois meses sem trabalhar, sem que houvesse qualquer sanção por parte da empresa.

Para o ministro Vieira de Mello Filho, relator do recurso de revista, é inegável a eventualidade que caracteriza o trabalho da autora da reclamação, diante dos fatos descritos pelo Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS). “Não me parece crível que o empregador, que necessita dos serviços prestados pelos seus empregados para o sucesso da atividade econômica que explora, permita que estes escolham, como bem desejarem, a periodicidade com que se ativam, assim como abone ausências como aquelas a que alude o acórdão regional”, asseverou Vieira de Mello.

A autora da ação relata que foi contratada pela Caloi, onde trabalhou como faxineira durante quase seis anos, durante dois dias na semana, sempre pela manhã, das 8h às 12h, recebendo R$ 30 por diária. A empresa não nega a prestação de serviços e confirma, inclusive, que a diarista comparecia semanalmente. No entanto, alega que se tratava de prestação autônoma de serviço.

Em sua defesa, a empresa afirma que a trabalhadora fazia seu próprio horário e ficava, às vezes, mais de dois meses sem aparecer, sem haver sanção da Caloi. Através de recibos, demonstrou que a faxineira não tinha rotina fixa de trabalho, pois em um mês ela comparecera dois dias, em outro, oito; em uma semana um dia, em outra, dois. Além disso, o trabalho era pago por faxina e ela podia prestar serviços para outras pessoas físicas ou jurídicas.

Falta de subordinação

O vínculo empregatício foi reconhecido na primeira instância e mantido pelo TRT/RS, ao julgar o recurso ordinário da empresa, o que levou a empresa a recorrer ao TST. O ministro Vieira, ao analisar a questão da subordinação, verificou que, se a diarista escolhia o horário em que trabalhava e os períodos em que deixava de prestar serviços à Caloi, ela, portanto, “não se sujeitava ao poder de direção da empresa”. Além disso, o fato de a trabalhadora ser paga apenas quando realizava faxina nas dependências da empresa “denota sua condição de autônoma, somente fazendo jus à remuneração ajustada após a conclusão da atividade para a qual foi contratada”, conclui o relator, que entendeu, por esses fundamentos, não estarem presentes na relação os requisitos necessários à caracterização de vínculo empregatício entre as partes. Seguindo o voto do relator, a Primeira Turma deu provimento ao recurso da empresa, julgando improcedentes os pedidos da trabalhadora. (RR-11881/2002-900-04-00.6)

(Lourdes Tavares)

 

Sds Marcos Alencar


Tags:

contrato de prestação de serviços diarista

contrato de trabalho doméstica

contrato diarista

definição diarista doméstica

definição empregada doméstica

Direito do trabalho

empregada dóméstica

emprego

emprego doméstico

jornada de trabalho doméstica

Justiça do trabalho

processo do trabalho

recibo diarista

trabalhismo

trabalho em residência


Similar posts

3 COMENTÁRIOSS

  1. By valeria, 14 de abril de 2010

    o site é muito esclarecedor. obrigado.

  2. By EDUARDO DOS ANJOS MAIA DIAS, 27 de fevereiro de 2012

    ESSA IDEIA DE SUBORDINAÇAO DA DIARISTA NÃO FICOU CLARA. COMO POSSO SOLICITAR O SERVIÇO DE ALGUÉM SEM DIZER A ELA O QUE FAZER OU ATRIBUIR FUNÇÕES? SE CHAMO UM PINTOR PARA FAZER O SERVIÇO EM MINHA CASA ELE FICARÁ SUBORDINADO ÀS MINHAS ORDENS, AFINAL DETERMINO SE ESTÁ BOM OU NÃO O SERVIÇO, SE DEVE SER REFEITO, A COR MELHOR PARA TAL PAREDE ETC. NENHUMA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO POR MAIS AUTÔNOMA QUE SEJA NUNCA O SERÁ TOTALMENTE. COMO FICA ESSA QUESTÃO TÃO SUBJETIVA JURIIDICAMENTE?FICA A MINHA DÚVIDA.

    ABRAÇOS

  3. By Marcos Alencar, 27 de fevereiro de 2012

    Prezado Eduardo, este tipo de subordinação é diferente, ela é contratual atrelada ao serviço especificamente. É Diferente daquela do empregado, que tendo ou não serviço, ele fica aguardando ordens, subordinado todo o horário de trabalho ao patrão.

Nós aqui debatemos ideias, não respondemos consultas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing